segunda-feira, 31 de agosto de 2015

janot




Repasso.Muita gente está equivocada com relação ao Janopt: ele foi(?) filiado ao PT, segundo consta. A Dilma não o reconduziria à PGR, se assim não fosse, pois estaria colocando a corda no seu pescoço: a burrtice derla tem limites.


Bola "quicando" na área.



--

XV Encontro de Entidades de Oficiais Militares Estaduais Carta de Natal-RN

Federação Nacional das Entidades de Oficiais Militares Estaduais

XV Encontro de Entidades de Oficiais Militares Estaduais

Carta de Natal-RN

Aos vinte e sete dias do mês de agosto de dois mil e quinze, as entidades de oficiais militares

estaduais, federadas à Federação das Entidades de Oficiais Militares Estaduais (FENEME), representada

por seus Presidentes, reunidas por ocasião de seu 15ºEncontro Nacional, na cidade de Natal, Estado do Rio

Grande do Norte, proclamam a presente "Carta de Natal" nos seguintes termos:

I – Repudiar qualquer iniciativa tendente a manter ou reforçar o atual sistema policial marcado

por meias polícias e por uma resolutividade de infrações penais que, vergonhosamente, tem atingido em

média míseros 5% (cinco por cento), situação única no mundo no que concerne a ineficiência na

investigação.

II – Implantar o Ciclo Completo de Polícia para todas as instituições policiais, a exemplo de

todos os países, com destaque para as nações desenvolvidas, permitindo que os atos lavrados sigam

diretamente ao Poder Judiciário pelo polícia que prestar os primeiros atendimentos, deste modo:

possibilitando uma reforma estrutural com redução significativa de custos - aumentando a fidedignidade das

informações prestadas - desburocratizando o atendimento policial ao cidadão - alcançando maior eficiência

de todas as instituições policiais - ampliando a resolutividade na apuração das infrações penais -  reduzindo

a impunidade, elementos fundamentais e que serão alcançados em grande medida com a aprovação da

Proposta de Emenda Constitucional 423/2014, a "PEC da Segurança", bem como por outras que

contenham a implantação do Ciclo Completo.

III – Reforçar o conceito de autoridade policial, conforme constantemente ratificado pelo STF

no contexto da Lei 9.099/95, como o primeiro policial atendente da ocorrência no local do fato, cabendo a

sua instituição o registro do fato com o encaminhamento direto ao Poder Judiciário, refutando também as

tentativas meramente corporativistas que têm pressionado o Congresso Nacional a concentrar tal conceito

em um único cargo.

IV – Defender a criação de um Conselho Nacional de Polícia, como órgão maior fiscalizador do

sistema policial, com a participação da sociedade civil organizada, trabalhadores da segurança pública e

instituições, objetivando fortalecer as apurações de irregularidades policiais e, por conseguinte, a disciplina

Policial e a credibilidade das instituições perante a sociedade.

V – Fortalecer o poder de Polícia Administrativa da Polícia Militar, atribuindo por leis

específicas a ela competências relativas a gestão preventiva da segurança pública e preservação da ordem

pública, promovendo-a a instituição por excelência preventiva, ao contrário do quadro atual.

VI – Fortalecer o poder de Polícia Administrativa do Corpo de Bombeiros, incluindo todos os

atos deste, no que se refere aos assuntos afetos a: prevenção e combate a incêndios, prevenção e

atendimento a sinistros, situações de emergências e pânico, calamidades públicas, dentre outras atividades

de segurança pública e defesa civil, com a necessária instituição dos códigos de prevenção contra incêndio

estaduais e nacional.

Natal-RN, 27 de agosto de 2015.

MARLON JORGE TEZA

Coronel PMSC

Presidente da FENEME

--

sábado, 29 de agosto de 2015

As despesas da "rainha" Dilma nos "States"

video




 As despesas da "rainha" Dilma nos "States"



  isso equivale a U$ 3.000.000,00 ao mês !!! (dólares) !!!
para transportar quem ???
ISTO É UMA VERGONHA !!!
O Alexandre Garcia, no mp4 do anexo, está certo nos números referentes à despesa de Dilma na visita que fez aos EUA, que chegou a 100 mil Dólares. Vejamos os números que fazem inveja à Rainha da Inglaterra:
— 25 motoristas para trabalharem em tempo integral;
— 2 ônibus;
— 1 caminhão;
— 3 vans;
— 19 limousines
O aluguel desse aparato principesco por apenas 1 dia, custou aos cofres da Nação 100 mil Dólares.
No comentário da RachelSherazade, em https://www.youtube.com/watch?v=gHCXhkKjbLA, a dívida, depois de reiteradas e cansativas cobranças, foi quitada, mas a fama de caloteira e de esbanjadora (não de dinheiro dela, mas dos impostos que pagamos) ficou registrada na imprensa mundial.



















Suspeita de infiltração do crime organizado no TJSP

Estamos perdidos.

Caros amigos,
Avolumam-se suspeitas de infiltração do crime organizado no Tribunal de Justiça deste Estado. Obviamente, não há ainda resultado de nenhuma das investigações abertas para apurar tais casos, mas as evidências são impactantes. Se dispuserem de alguns minutos, sugiro-lhes tomar conhecimento dos casos em andamento através dos "links" abaixo.



Abraço do
PAES DE LIRA

O homem por trás da "Lava Jato"

  O homem por trás da "Lava Jato"

Sem comentários. Apenas assista ao vídeo.








sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Suicídio






Imagens não exibidas 
​Tristes com esse desfecho, pedimos a Deus que o perdoe pelo seu ato extremo.
Sempre que nos deparamos com um ato assim nos perguntamos porquê?
Eis alguma explicações as quais devemos estar atentos aos sinais:
Site Oficina de Psicologia
Interessante. Pesquisei na Bíblia esse termo e não foi localizado nenhum resultado.
Será que esse mal não era conhecido ou considerado naquela época das escrituras?

Suicídio

HomeDepressãoSuicídio

facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Suicídio

Para algumas pessoas, em determinados momentos da vida, pensar na morte como a única saída para uma situação de sofrimento intolerável, talvez pareça a única solução possível. Quando uma pessoa se sente no limite, de tal forma angustiada, desesperada e sem esperança, é compreensível que considere que prescindir do direito de viver, apesar de constituir uma solução permanente, pareça ser a melhor forma de lidar com uma situação que, naquele momento, é tão avassaladora e dolorosa. É como se sentisse que está perdida num labirinto completamente escuro, como se todos os caminhos que permitem o acesso às portas de saída deixassem de existir, e quem mesmo que tentasse percorrer um desses caminhos, isso apenas resultaria em mais um esforço inútil, pois não só encontraria as portas completamente trancadas, como não teria disponíveis as chaves adequadas para as abrir.

Se para si, a dor emocional que sente é de tal forma elevada, que a possibilidade de suicídio é uma opção viável, ou se de outra forma, receia que alguém que lhe é importante esteja a correr esse risco, reflita por favor, apenas por mais um pouco, nas próximas linhas e permita que esta informação a possa ajudar a compreender quão urgente pode ser procurar ajuda especializada.

 

A dimensão

Reconhecemos que falar sobre suicídio é particularmente desafiador. Parece que, semelhante a tantas outras situações de vulnerabilidade psicológica, para as quais preferimos olhar apenas em secreto, o silêncio funciona somente como mais uma "máscara" que visa esconder uma realidade de profunda dor, misturada com sentimentos de vergonha, estigmDesesperoa e diferença … oferecendo, mais uma vez, pouca ou nenhuma ajuda útil. Por isso, gostaríamos de por momentos, convidá-lo/a a retirar essa máscara, e a vestir o papel de um/a espectador/a atento/a, a uma realidade tão presente nas ditas sociedades modernas. Senão repare: apenas num único ano, cerca de um milhão de pessoas no mundo tiraram a sua própria vida – aproximadamente uma morte a cada 40 segundos – e provavelmente há 4 milhões que o tentam fazer! O suicídio encontra-se entre as 10 primeiras causas de morte, sendo que por cada suicídio ocorrem 11 tentativas sem sucesso. Cerca de 20% das pessoas que tentam suicidar-se, senão procurarem ajuda especializada, repetem essa ação no prazo de um ano, aumentando a probabilidade de eventualmente morrerem por suicídio. Cerca de 10 % de todas as tentativas de suicídio são mortais.Só em Portugal, a taxa de suicídio dobrou na última década, de cerca de 600 para mais de 1.200 casos por cada ano. Dá que pensar, não é?

Porquê o suicídio?

É importante entendermos que, a probabilidade de uma pessoa cometer suicídio varia num contínuo, que contempla a ideação suicida – pensamentos acerca da possibilidade de cometer o suicídio -, a tentativa de suicídio – gestos auto-destrutivos não fatais – , até ao suicídio consumado, que resulta em morte. Mas face a qualquer um desses grupos, naturalmente a questão à qual gostaria de saber uma resposta, se prenda com o que motiva alguém a escolher terminar com a sua própria vida. Em termos genéricos, por um lado, o suicídio veicula o desejo de uma pessoa em escapar ou terminar com o seu sofrimento (que é resultante de variadíssimos problemas) e, por outro lado, o seu desejo em comunicar o seu sofrimento aos outros – é um pedido de ajuda. Além disso, cada pessoa tem os seus próprios motivos, muito particulares, profundos e extremamente dolorosos que a levam a ponderar desistir de viver. Uma mudança repentina nas suas circunstâncias de vida, tais como dificuldades financeiras, desemprego ou perda de estatuto socioeconómico, mudanças no contexto familiar ou relacional (divórcio, fim de uma relação, morte de um familiar…) ou ainda a sensação de isolamento, solidão e a ausência de horizontes ou projetos futuros podem constituir factores relevantes.

 

Não esqueçamos também a companhia indesejável de certas perturbações do humor (depressão, perturbação bipolar, esquizofrenia), que podem contribuir para um estado de maior desorganização e desconforto emocional, ao fragilizarem as potenciais competências para pensar em soluções e lidar com as adversidades,o que por sua vez aumenta a possibilidade do desespero se tornar ainda mais intolerável. Sabia que mais de metade das pessoas que se suicidaram, estavam deprimidas? Estima-se ainda que o risco de suicídio ao longo da vida em pessoas com perturbações do humor (principalmente depressão) é de 6 a 15%; com alcoolismo, de 7 a 15%; e com esquizofrenia, de 4 a 10%.

A comunidade científica também nos informa que a probabilidade de tentar o suicídio é duas a três vezes superior nas mulheres, enquanto os homens apresentam uma probabilidade quatro vezes maior de o consumarem. A escolha do método de suicídio, que pode ser influenciada pela disponibilidade de meios, também é variável em função do género feminino ou masculino.

Na verdade, talvez possa ficar surpreendido ao se aperceber que a maioria das pessoas que pensam, tentam ou cometem o suicídio, escolheriam outra forma de solucionar os seus problemas, se não se encontrassem numa tal angústia que as incapacita de avaliar as suas opções objectivamente. A sua intenção é parar a sua imensurável dor psicológica e não pôr termo à sua vida. Dão por isso sinais de esperança de serem salvas. Querem simplesmente fugir das duras realidades da vida e tensões com as quais não conseguem lidar, para as quais não vêm uma solução possível, nem perspectiva de melhoria ou mudança no futuro.

 

Fale connosco AGORA!

 

O suicídio pode ser compreendido como resultando da interação de 3 factores: pressão/stress social, vulnerabilidade individual e disponibilidade de meios:

Alguns números acerca das características das pessoas que tendem a suicidar-se…

  • Mais frequente nos homens que nas mulheres (2:1).
  • Presença de problema psiquiátrico/psicológico em pelo menos, 93% dos casos.
  • Perturbação do humor (depressão, bipolaridade) ou alcoolismo em 57-86 % dos casos.
  • Doença terminal em 4-6% dos casos.
  • Cerca de 66% comunicaram a intenção suicida (40% de forma clara).
  • Cerca de 33% tiveram tentativas anteriores de suicídio.
  • Cerca de metade não tinham contactado técnicos de saúde mental.
  • 90% tinham contactado serviços de saúde.

 

Factores que aumentam a probabilidade de suicídio

  • Modelos de suicídio: familiares, pares sociais, histórias de ficção e/ou notícias veiculadas pelos média;
  • História de suicídio, violência ou de perturbação de humor na família.
  • Tentativas prévias de suicídio;
  • Ameaça ou ideação suicida com plano pormenorizado elaborado;
  • Acesso fácil a agentes letais, tais como armas de fogo ou pesticidas;
  • Presença de depressão, esquizofrenia, alcoolismo, toxicodependência e perturbações de personalidade;
  • Presença de perturbações alimentares (bulimia).
  • Presença de doenças de prognóstico reservado (HIV, cancro etc.);
  • Hospitalizações frequentes, psiquiátricas ou não;
  • Ter entre 15 e 24 anos ou mais de 45;Depressão
  • Desemprego ou dificuldades económicas que alteram o estatuto familiar;
  • Problemas no trabalho;
  • Morte do cônjuge ou de amigos íntimos;
  • Família actual desagregada: por separação, divórcio ou viuvez.
  • Perdas precoces de pessoas importantes (pais, irmãos, cônjuge, filhos);
  • Falta de apoio familiar e/ou social;
  • Ausência de projectos de vida;
  • Desesperança contínua e acentuada;
  • Culpabilidade elevada por actos praticados ou experiências passadas;
  • Ausência de crenças religiosas;
  • Mudança de residência;
  • Emigração;
  • Reforma;
  • Ter sido alvo de abuso sexual ou psicológico;
  • Experiência de humilhação social recente

Suicídio: ato planeado ou impulsivo?

O suicídio raramente é uma decisão repentina, apesar de amigos e familiares conceberem esse acontecimento como algo completamente inesperado, surpreendente ou até chocante. Na maioria dos casos, o suicídio é algo planeado – a pessoa constrói um plano, estabelece uma data, define um método e pensa nessa possibilidade ao longo de algum tempo, antes de tomar uma decisão definitiva.

Porém, a impulsividade é uma característica da personalidade que interfere na tomada de decisão, ao modelar a rapidez com que se passa do pensamento ao ato, podendo constituir um factor de risco acrescido. Existem assim algumas situações em que o suicídio ocorre de forma impulsiva.Perante uma dada situação, que é dolorosa e intolerável,a pessoa toma uma decisão imediata, precipitada e sem pensar (no sentido de minorar a dor emocional sentida), emitindo uma resposta auto-destrutiva que conduz à consequência irreversível da morte.

Sinais de alerta

Como descrito anteriormente, a maioria das pessoas que se suicidam, dão pistas e sinais de aviso, mas os outros que as rodeiam não estão conscientes do seu significado nem sabem como responder. Eis alguns exemplos de sinais de alerta, cuja detecção atempada e intervenção eficaz poderá salvar vidas:

  • Tornar-se uma pessoa depressiva, melancólica (apresenta uma grande tristeza, desesperança e pessimismo, chora sistematicamente);
  • Falar muito acerca da morte, suicídio ou de que não há razões para viver, utilizando expressões verbais tais como "Não aguento mais", "Já nada importa", ou "Estou a pensar acabar com tudo";
  • Preparativos para a morte: pôr os assuntos em ordem, desfazer-se/oferecer objetos ou bens pessoais valiosos, fazer despedidas ou dizer adeus como se não voltasse a ser visto;
  • Demonstrar uma mudança acentuada de comportamento, atitudes e aparência;
  • Ter comportamentos de risco, marcada impulsividade e agressividade;
  • Aumento do consumo de álcool, droga ou fármacos;
  • Afastamento ou isolamento social;
  • Insónia persistente, ansiedade ou angústia permanente;
  • Apatia pouco usual, letargia, falta de apetite;
  • Dificuldades de relacionamento e integração na família ou no grupo;
  • Insucesso escolar (por exemplo, quando antes era aluno interessado);
  • Auto-mutilação.

 

Face a este quadro, é provável que dê por si a reconhecer pelo menos alguns destes sintomas em pessoas que conheça, ou até mesmo em si próprio. Note, contudo, que a lista fornecida apenas fornece alguns exemplos de sinais que podem indiciar a presença de ideação ou tentativa de suicídio. Naturalmente, quanto maior o número de sinais presentes, maior o risco de suicídio, e paralelamente, maior a urgência em procurar ajuda quanto antes.

Fale connosco AGORA!

Como intervir?

Se veio até esta página por estar a colocar o suicídio como uma opção, queremos que saiba que não está sozinho. A sua vida é importante e podemos ajudá-lo. Por vezes, não falar dos problemas faz com que eles cresçam dentro de nós e conversar com alguém faz com que eles diminuam de tamanho e facilita o encontro de soluções alternativas.

OportunidadeO acompanhamento individual é a melhor forma de criarmos um espaço em que se possa sentir seguro, compreendido e ajudado na procura de outras opções ou soluções para as suas dificuldades. Nesse espaço, pretende-se:

  • Validar a vivência de desespero, tristeza e sofrimento emocional enquadrando-a na sua história de vida presente, passada e futura;
  • Compreender os motivos que o levam a colocar o suicídio como uma opção;
  • Olhar para os seus problemas sem os julgar, decompô-los em partes mais pequenas para que possam ser trabalhados separadamente;
  • Analisar as crenças subjacentes à convicção de que não existem outras alternativas de pôr fim à dor além do sofrimento;
  • Discutir a relação entre o que pensa, o que sente e como reage, monitorizando esses três elementos da experiência;
  • Encontrar novas formas de lidar com os problemas:Explorar e criar alternativas de solução que possam existir na sua vida (que neste momento não estejam facilmente visíveis) e desenvolver competências de confronto e resolução de problemas;
  • Desenvolver formas eficazes e adaptativas de comunicar os seus problemas aos outros;
  • Promover o seu sentimento de controlo e eficácia pessoal;
  • Desenvolver estratégias de relaxamento que o possam tranquilizar no seu dia-a-dia e em situações de crise;
  • Promover a discussão de cenários futuros mais satisfatórios.

Este é um trabalho prático, que poderá nalguns momentos envolver familiares e amigos se isso for vantajoso. Os objectivos enunciados são apenas orientadores, dado que todo o processo de ajuda é centrado em si, nas suas características e na sua forma de ver o mundo e pretende-se que tenha impacto não só no seu presente, como também no seu futuro.

O que fazer quando identificar sinais de risco?

Se veio até aqui porque desconfia que um amigo, um familiar, ou um conhecido seu poderá estar a pensar em suicídio, ou que inclusive já fez uma tentativa de se suicidar, e não sabe como o ajudar, existem várias coisas que pode fazer por essa pessoa. Se reconhecer os sinais que descrevemos, aqui estão algumas indicações do que poderá fazer:

 

  • Em primeiro lugar, ser um bom ouvinte é essencial – simplesmente oiça,com toda a atenção, não apenas os factos, mas a sua dor, medos e ansiedades. Não julgue, nem dê conselhos ou opiniões.
  • Reconheça o seu sofrimento, valorize o que é dito e demonstre que está disponível para a ajudar. É fundamental que essa pessoa saiba e sinta o quão importante ela é para si, que a sua vida tem valor para alguém e que a sua dor emocional é compreensível e aceitável face às suas vivências presentes.
  • Demonstre empatia – procure compreender as coisas não do seu ponto de vista, mas segundo o ponto de vista do outro.Não faça comparações.
  • Se essa pessoa que o preocupa não falar abertamente do que sente ou pensa, é importante que tome a iniciativa em conversar com ela. Diga claramente que se apercebeu que o seu comportamento mudou (especifique que mudanças específicas observou) e que está preocupado/a com o que possa ter causado essas mudanças.
  • Não mude de assunto, nem faça comentários do tipo "anima-te", "vai correr tudo bem".
  • Não hesite em questionar aberta e diretamente se essa equaciona a ideia de suicídio como uma opção válida. Pode dizer algo como: "Imagino que estejas a sofrer muito, que seja avassaladora a dor que sentes em função de toda esta situação. Estás a considerar o suicídio como opção?", "Parecem ser demasiados problemas para aguentares sozinha. Pensaste no suicídio como fuga?", "Alguma vez pensaste em deixar tudo?" Essas questões transmitem a mensagem de que existe alguém que compreende a sua dor psicológica e de que a pessoa não estão sozinha. Naturalmente, a abordagem a este tema sensível varia em função da situação e relação de confiança estabelecida.
  • É importante que a pessoa que pensa em suicídio saiba que a sua morte causaria sofrimento nas pessoas que a rodeiam, e haveriam pessoas que sentiriam a sua falta. Por isso, nunca é demais ter um gesto de carinho para com ela. Por vezes, a tentativa de suicídio pode ser um pedido de ajuda que se pode evitar se a pessoa compreender, antes de tentar terminar a sua vida, que existe alguém que gosta de si, se importa consigo.
  • Nunca deixe a pessoa sozinha se sentir que existe perigo de ela cometer suicídio, nomeadamente se lhe parecer que a mesma tem um plano concreto de suicídio e já tomou decisões para o pôr em prática. Incentive-a a pedir ajuda especializada (a um hospital, médico, psicólogo, ou psiquiatra) e retire da sua proximidade todos os objectos com que a pessoa se possa magoar. Se for necessário, chame uma ambulância, ou outro tipo de ajuda que possa ser pertinente, rapidamente.

Fale connosco AGORA!

 

Como lidar com a perda?

Se teve alguém na sua vida que se suicidou, provavelmente sente culpa e sente que transporta consigo o peso dessa vida perdida. É natural que sinta que podia ter agido de forma diferente, que podia ter feito coisas diferentes. Poderá sentir que deveria ter notado os sinais, talvez reveja constantemente os últimos tempos que passou com essa pessoa, as últimas coisas que lhe disse. Gostávamos de lhe propor que parasse por momentos e ficasse com esta ideia: uma pessoa que se suicida está em grande sofrimento. Enquanto amigos e familiares, podemos fazer o que está ao nosso alcance para demonstrar a importância que a vida dessa pessoa tem para nós. Mas muitas vezes os sinais são difíceis de detectar, e mesmo que os tivesse reconhecido, isso não seria uma garantia de que as coisas teriam sido diferentes. Em último caso, a decisão é sempre da pessoa que comete o acto – a culpa não é sua. A responsabilidade pelo que aconteceu, não estava nas suas mãos.

 

Se o conteúdo desta página o toca directamente, e se se identifica com estes sinais ou conhece alguém nesta situação, peça ajuda. Na Oficina da Psicologia, existem várias pessoas prontas para lhe prestar toda a ajuda necessária, que respeitarão as suas ideias, as suas crenças, os seus problemas e respeitarão, acima de tudo, o seu valor enquanto pessoa.Por isso, antes de escolher uma opção irreversível, dê pelo menos uma oportunidade a si mesmo de experimentar uma solução diferente. Estamos disponíveis para si – a sua vida é importante para nós.

Alguns mitos sobre suicídio

Mito: As pessoas que falam sobre o suicídio não vão realmente cometê-lo só querem chamar a atenção, não devemos dar importância.

Realidade: Não, é essencial estar atento ao que a pessoa diz – o facto de falar em suicídio é um sinal de alerta. É um pedido de ajuda, uma forma de comunicar o seu sofrimento, e não apenas uma chamada de atenção.É importante aceitar, compreender e valorizar o que a pessoa sente.

 

Mito: A pessoa que fala em suicídio quer mesmo morrer e está decidida a matar-se, independentemente do que façamos.

Realidade: Quando alguém fala em suicídio, é importante reconhecer a dor da pessoa, porque ela está a pedir ajuda e podemos ainda estar a tempo de a ajudar de alguma forma.

 

Mito: Quando alguém sobrevive a uma tentativa de suicídio, está fora de perigo.

Realidade: Na verdade, a existência de tentativas prévias de suicídio é um factor de risco que aumenta a probabilidade da pessoa tornar a tentar suicidar-se.

 

Mito: O suicídio é hereditário.

Realidade: Não existem estudos com resultados claros, e de facto a existência de suicídios na família pode ser um factor de risco a considerar. No entanto, existem muitos outros factores que interferem na tomada de decisão, não sendo a hereditariedade o factor mais determinante.

facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

 

 







-- 


--

Crítica ao comentário irônico do jornalista da TV Globo Rodrigo Bocardi

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Mirante do Paraiba. Guararema com Marlene De...

Um abraço amigo.




Facebook
        Carlos Alberto Camargo 22 de agosto às 12:58   Mirante do Paraiba. Guararema com Marlene De Oliveira Camargo Olga Lima Indalecio Carmen Ligia Sanches Brucutu, Almeida Moraes , Renatinho       Curtir     Comentar    
   


   

   
   



   
Carlos Alberto Camargo
22 de agosto às 12:58

Mirante do Paraiba. Guararema com Marlene De Oliveira Camargo Olga Lima Indalecio Carmen Ligia Sanches Brucutu, Almeida Moraes , Renatinho


   Curtir
   Comentar



   
   


Ver publicação
   

Editar configurações de e-mail


   
   


   
   


   



Crítica ao comentário irônico do jornalista da TV Globo Rodrigo Bocardi







Facebook
        Claudio Di Sessa 26 de agosto às 23:49   Crítica ao comentário irônico do jornalista da TV Globo Rodrigo Bocardi Na edição do Bom Dia São Paulo desta quarta-feira, 26/08/15, o jornalista Rodrigo Bocardi ironizou a...       Curtir     Comentar     Compartilhar    
   
   Cbb face
   
   
   
Claudio Di Sessa
26 de agosto às 23:49
Crítica ao comentário irônico do jornalista da TV Globo Rodrigo Bocardi
Na edição do Bom Dia São Paulo desta quarta-feira, 26/08/15, o jornalista Rodrigo Bocardi ironizou a...
   Curtir
   Comentar
   Compartilhar
   
   

Ver publicação
   


   
   


   
   


   


Ministro Gilmar Mendes em sessão plenária pediu ao Ministério Público e à Polícia Federal a investigação de suposta prática de atos ilícitos na campanha que reelegeu a presidente Dilma

investiguem campanha de Dilma
Em requerimento, Ministro do TSE apontou "vários indicativos" de que a campanha da petista teria sido financiada por recursos do petrolão
21/08/2015 às 21:40 - Atualizado em 21/08/2015 às 21:43
Ministro Gilmar Mendes em sessão plenária(Dorivan Marinho/SCO/STF/Divulgação)
O ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pediu ao Ministério Público e à Polícia Federal a investigação de suposta prática de atos ilícitos na campanha que reelegeu a presidente Dilma Rousseff em 2014. Em relatório encaminhado nesta sexta-feira à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à PF, o ministro cita "vários indicativos" de que a campanha da petista teria sido financiada por recursos desviados da Petrobras.
Relator no TSE das contas de campanha do PT e da candidata no ano passado, Gilmar Mendes encaminhou ainda o despacho ao corregedor-geral da Justiça Eleitoral, João Otávio de Noronha, para que sejam tomadas providências em relação a um artigo da Lei dos Partidos Políticos que veda o financiamento de campanhas por empresas de capital misto, como a Petrobras.
"Assim, tenho por imprescindível dar conhecimento às autoridades competentes sobre os indicativos da prática de ilícitos eleitorais e de crimes de ação penal pública ressaltados neste despacho", escreveu o ministro. No despacho, Gilmar Mendes utiliza informações reveladas pela Operação Lava Jato, como trechos da delação do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, que disse a investigadores ter doado 7,5 milhões de reais à campanha de Dilma.

--

SÓ PARA QUE POSSAMOS REFLETIR

                     SÓ  PARA  QUE  POSSAMOS  REFLETIR
O médico assassinado, de maneira covarde, por um "de menor" no Rio, trabalhava em hospital universitário, atendia os pobres e acreditava na educação médica como instrumento na melhoria da vida das pessoas.
Morreu por desafiar a realidade e a inversão dos fatos, onde criminoso sempre é tratado como vítima.
Dr. Jaime não terá cruz simbólica à sua morte colocada na praia de Copacabana, como houve para lembrar a morte de bandidos em penitenciárias.
Nenhum favelado vai tocar fogo em ônibus contra a morte dele, como fazem quando traficantes são presos.
A Presidente  Dilma não ficou abalada com a morte do médico, como demonstrou em rede nacional com a condenação de  um traficante na Indonésia.
Dr. Jaime teve o azar de ser como EU e VOCÊ que estudamos, trabalhamos, pagamos impostos, e não nos envolvemos com a ilegalidade.  Somos hoje a escória social, desprotegida e entregue a própria sorte.
Sabe quantas pessoas dos "DIREITOS HUMANOS" foram dar apoio à família do médico?   NENHUMA...
Esse é o país que vivemos hoje, com conceitos invertidos e princípios destruídos, onde a impunidade passou a ser vista como a saída em todos os casos e situações.
Se você também se sente discriminado, inseguro e oprimido socialmente, repasse. Senão, apague essa mensagem.

--

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Localizador de endereços



Pode ser que com sorte você veja a rua da sua casa




FANTÁSTICO LOCALIZADOR DE ENDEREÇOS...


 

Este é para guardar!
INACREDITÁVEL!! Localizador de endereços no mundo todo. Mais rápido do que o Google Earth Este é um email que vale a pena ser guardado em uma pasta especial. Com um simples toque, você acha qualquer lugar do planeta. Basta escrever o nome da rua e cidade que você quer - e pronto! Você duvida? Então comece pela sua rua...










-